quinta-feira, 5 de julho de 2012

A canção que se renova



Um salto no escuro
salto mudo 
mundo papel de pão

escreva-te terra úmida
rebrilha os olhos 
sacode a poeira
sopra tudo e levanta 

Cor, caneta, toda letra
respira no ar o perfume
inspiração

Ato meu ao teu braço 
[memorizo
o olhar menina-canção
há mais franco viver?
indo no balanço da rede
maré corrente querer

sonhos em quadros de nuvem
folhas ao vento sabor
beijam os ares, acariciam
o amor que faz amor 

recria com ação

canta-te poesia
o incenso que embala
aroma de pele e desejo
canela com lótus hamorniza
aperta-te o lábio um beijo
Comemora

sorri a graça da mudança
movimentando as veias 
Ventando aqui e ali vê
os olhos não se confundem
latente o sentido do ser
rebate o peito e arfa
essa prosa Verdeja-me

Árvore deVida

Joice Furtado - 05/07/2012

A canção que se renova ou O papel onde se escreve.

O papel onde escrevo é o coração.

1 comentários:

Albuq disse...

Belos versos!