segunda-feira, 26 de março de 2012

Luminosa



Costumava beijar-lhe a nuca
intensa e chamejante
ondulações ternas de querer 
atraída mariposa à lâmpada
aura de amor tão quente
conforta-me, fascina
luminosa e amante mulher

Deitava-me em seu colo
esperando cada carinho,
cada beijo e afago sozinho,
poeticamente satisfeito
mergulhado em beijos de lua
sol da manhã reluzente
eleito em você, durmo
acariciado pelas mãos suaves
deslizantes em meu peito quente.

Eu, pobre de níquéis e vencido
pelo cansaço dos dias
vi em seus olhos, amor esperado
a força de corajosa e querida
quando de mim nada requer
mas, agradecido a entrego
todo o amor e cuidado, paixão,
o melhor que de mim quiser.

Joice Furtado - 26/03/2012

2 comentários:

luiz carlos disse...

É com profunda contemplação que meus rotos mergulham nestes versos e sentem o gosto belo,Um sorriso nasce de inesperado achado pelas vias destas janelas sem fronteiras
me deparar e agora debruçar sempre nestes versos intensos de vastas belezas.

Ass:Luiz Carlos

Anônimo disse...

sua poesia continua a me empolgar minha querida deusa poética, sabe bem que seus versos amadurecem com sua paixão, adoro ver toda satisfação dessa explosão literária que presencio há tempos. nunca pense que sua poesia te abandonou, nada disso, ainda mais que sei que se voce quiser será uma bela prosadora, ainda temos muito o que fazer juntos...

Ass: John Williams B.