sexta-feira, 20 de abril de 2012

Odisseia


Que há nessa farda mística
fala com que me tomas
dos dedos os anéis
vestindo-te de espanto
luz em penumbras no manto
branco de olhos cruéis

Ao revés, ao revés
Rodos de tolos empurrados
Cada qual com seu orgulho
renegando inegáveis féis
debaixo da língua
fiéis a si somente e ainda
Corroboram em caridade
Doces papéis
de mentira

Incendeia a minha mente
Incendiária eu quero ser 
com idéias de fogo, brasa
sitiar a tua cidade amada
tocando chamas em teu prazer

Ao revés, ao revés

Nero, a minha odisseia apenas começou
eu te buscarei no além-túmulo
para incendiar a mente do mundo
e a minha também
ou o que dela restou
Sã ou pouco-desequilibrada
Pintando o auto-retrato frustrado por não ter
todos os atributos e assuntos em tez.

Joice Furtado - 20/04/2012

2 comentários:

Lua Nova disse...

Forte, envolvente... cortante como o fio da adaga que serve de ilustração!
Gostei do fogo que brota do teu coração! A vida é mesmo uma odisséia se tivermos coragem pra encarar o que vier!
Gostei do que vi por aqui e gostei muito também de vc ter me dado a oportunidade prede te conhecer. Sua presença no é preciosa.
Beijokas e meu carinho.
Seguindo...

Lua Nova disse...

Agora seguindo mesmo... owwwww memória!!!
Beijokas.