sábado, 2 de fevereiro de 2013

Fio-lembrança

Foto: Web

Eu era o velo
enrolado em maço
brincando com o gato
no tapete ou quintal

um sorriso miudinho
pequenino novelo só
afeiçoado a trama


consequente
um puxão nas cordas
minhas voltas
deixei

um fio só
suspiro
e meu sorriso menino
apaguei


arrebentaram a graça
virtude mais que corpo
é alma
aqui dentro essa chama


chora

fiapo atrelo-me a fiapo
até o gato não brinca
vê-me e folga
do meu pedaço de lã


coração de nevoeiro
escondo o riso miudinho
tão pequenininho era
agora
espero o belo desabrochar

juntar-me aos fios de cabelo da moça
ou amarrar bandeirinha no festeiro
quintal da roça, da cidade ou sei lá

apenas sou fio lembrança-
boa
alegro-me com quem me abraçar



Joice Furtado - 02/02/2013

1 comentários:

Karinne Santiago disse...

roda mundo...roda poesia...entontece o poeta e segue...

beijimmm