domingo, 30 de dezembro de 2012

Passagem

Imagem: António Macedo

viajante estrela traçando céu
de quem a vê pedidos leva
montada em seu cavalo-quimera
cavalga através dos astros

nuvens na atmosfera
do pó dos mundos conhecedora
viu anéis de Saturno e Phobos
deitou-se no colo de Hera

enxergou Babilônia dos jardins suspensos
reis surgindo e bandidos levantando
guerras, mais guerras

testemunhou as civilizações todas
injustiças dos pobres humanos
clamam aos deuses, cospem feras
palavras

de todas as almas, viu um Santo
esse a quem já conhecia
formado no ventre do universo
entregou-se a raça fria
por Amor

viajante estrela
aí de onde habita
seio da galáxia longínqua
veja, as pessoas continuam as mesmas
barbáries assolam a Terra
pisoteiam as mentes

Veja. Isso dói bem sabe
mas não é cadente, longe fica
observe atenta a movimentação cíclica
vai! Tem a sina da passagem

Joice Furtado - 30/12/2012

1 comentários:

Karinne Santiago disse...

Gosto quando a poesia assume este tipo de composição...este conVersar com a mitologia é tão enigmático e vibrante...

Beijimmm!!!