domingo, 20 de outubro de 2013

Atemporal


Ao amigo Wilson Caritta, poeta Atemporal


Ao teu olhar
Imaginativo poeta
– grata, a palavra estala –

Dedos
No papel de vida
A cor



Azul
– o mar escreve –
Ondas que vem e vão
Rebeldes são tristezas



Enquanto houver sonhos
Desejos Atemporais
Comporás eternamente


– Versos Interiores ­­–

Joice Furtado

4 comentários:

Lucas - Blog: Overture disse...

É um belo poema. Escreves com fluência e encanto. Penso que jamais serei poeta, justamente esse fluir me falta. Em ti, ele sobra. Sem invejas. Apenas profunda admiração. Beijosss

Malu Silva disse...

Passando para deixar meu carinho e que suas FESTAS de FIM de ANO sejam abençoadas pela real essência do AMOR, da PAZ e da HARMONIA.

FELIZ NATAL e um NOVO ANO repleto de muitas e grandes realizações...

Abraço

Rodrigo Guimarães Pena disse...

Poema lindo, mas...
Na última estrofe, primeiro verso: fiquei em dúvida.
Não seria mais correto
"Enquanto HOUVER sonhos " ?

Ou também poderia ficar:

"E, enquanto sonhos e
Desejos Atemporais
Houverem,
Comporás eternamente..."

Joice Furtado disse...

Rodrigo

Acredito que seja "enquanto houver sonhos". Verbo haver no sentido de existir permanece invariável, pois é um verbo impessoal, ou seja, aquele que não possui sujeito.


Muito obrigada!

Abraços